Diretora da escola Vicente Machado de São Pedro do Ivaí entrega projeto para reforma geral

O projeto para uma reforma completa na Escola Estadual Vicente Machado, de São Pedro do Ivaí, foi entregue ao Fundepar (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional), nesta terça-feira (14).

O projeto foi entregue pela diretora da escola, Ana Inês Fernandes Gouveia Rodler, acompanhada da pedagoga Silvana Paulino Ireneu da Silva e da agente 1 Maria Sônia Bezerra.

Em seguida, elas estiveram no gabinete do deputado Artagão Júnior, que estava atendendo o prefeito José Isalberti, e agradeceram o empenho.

“Esta é uma demanda que estamos trabalhando desde 2013. O projeto foi desenvolvido em parceria com a prefeitura e também já tivemos a avaliação do Corpo de Bombeiros. Agradecemos ao deputado Artagão Júnior a intervenção na liberação dos recursos e pedimos agilidade no processo licitatório”, disse a diretora.

A reforma contemplará a construção da nova parte administrativa, acessibilidade e refeitório. Os recursos viabilizados junto ao Governo do Estado estão na casa dos R$ 800 mil.

Propaganda eleitoral paga na internet terá que ser identificada

Resultado de imagem para campanha eleitoral

Com o começo oficial da campanha eleitoral, teve início também a divulgação de publicidade voltada à disputa de outubro. Além dos tradicionais anúncios em rádio e TV, abre-se o período, de maneira inédita, para a divulgação de propaganda paga de candidatos e partidos em redes sociais.

A novidade foi introduzida pela Minireforma Eleitoral (Lei 13.488), aprovada no ano passado. A norma prevê as modalidades de impulsionamento de conteúdo (praticadas pelo Facebook, por exemplo) e de priorização paga de conteúdos em mecanismos de busca (adotada pelo Google, por exemplo).

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou uma resolução (23.551/2017) detalhando exigências para essa modalidade de campanha. As mensagens com essa finalidade devem estar identificadas como tal, por meio da criação de selos (como no caso do Facebook) ou outras marcas. O TSE também definiu a necessidade das publicações trazerem as informações sobre o candidato ou partido, como os nomes e o CPF ou CNPJ do patrocinador daquela publicação.

Sendo essa uma obrigação da legislação eleitoral, candidatos e partidos não podem impulsionar conteúdos ou pagar resultados de busca sem essas identificações. Os que agirem desta maneira estão sujeitos à fiscalização. As denúncias podem ser feitas por eleitores (por meio do aplicativo Pardal), por candidatos ou pelo Ministério Público Eleitoral. Os questionamentos são analisados pela Justiça Eleitoral e podem se transformar em sanções diversas.

Concorrentes e legendas também não podem veicular publicidade em outros canais na internet, como banners em sites. Mas podem enviar mensagens por correio eletrônico e divulgar mensagens em seus sites.

Facebook

O Facebook abriu processo de cadastramento para veicular publicidade eleitoralpaga. A inscrição pode ser feita por meio de um formulário específico disponibilizado no site da rede social. Esses anúncios serão identificados nas linhas do tempo dos usuários da plataforma como “propaganda eleitoral”. Aqueles publicados por candidatos vão mostrar o CPF dele, bem como a legenda à qual é filiado. Já os anúncios de partidos vão conter o CNPJ da legenda.

Consultado pela Agência Brasil, o Facebook não informou quantos candidatos e legendas já se cadastraram até o presente momento. Na plataforma, além da fiscalização da Justiça Eleitoral, os candidatos também ficam sujeitos às regras internas, denominadas “Padrões da Comunidade” (Community Standards). Esses princípios definem os limites do que pode ser publicado, proibindo, por exemplo, mensagens com discurso de ódio e conteúdos não autênticos. A empresa já afirmou em diversas ocasiões que não fiscalizará as chamadas “notícias falsas”.

O eleitor que receber uma mensagem desta poderá verificar o motivo em uma ferramenta, denominada “Por que estou vendo este anúncio”. A plataforma vai disponibilizar também um recurso chamado de “biblioteca de anúncios”. Nela, os usuários poderão ver posts pagos relacionados a política, incluindo propaganda eleitoral. Este repositório vai reunir tanto as publicações impulsionadas ativas quanto as que já foram divulgadas, permitindo que o eleitor possa verificar quais são as mensagens difundidas por seu candidato ou por concorrentes.

Este mecanismo tem por objetivo dialogar com preocupações manifestadas por diversos agentes da sociedade civil em eventos sobre internet e eleições acerca dos riscos da publicidade paga no Facebook, o que permitiria segmentar, ou quase personalizar, mensagens dos candidatos. Assim, abriria espaço para que um político falasse algo específico para um determinado público e, para outro grupo segmentado, um conteúdo diferente, ou até mesmo contraditório.

Google

O Google informou à Agência Brasil que vai disponibilizar as plataformas de publicidade a candidatos e partidos “de acordo com as regras previstas pelo Tribunal Superior Eleitoral”. Os conteúdos impulsionados voltados à campanha deverão ser identificados como “anúncio eleitoral” pelos responsáveis e conter CPF ou CNPJ, a depender se o patrocinador for um candidato ou partido.

Ainda de acordo com a assessoria, as plataformas identificam qualquer forma de anúncio, diferenciando o resultado de busca pago dos resultados “orgânicos”. A exemplo do Facebook, caso um usuário queira saber por que está visualizando aquela publicação paga, pode clicar em um ícone “I” e, em seguida, na opção “Por que esse anúncio”. O usuário pode também bloquear os anúncios daquela fonte se não quiser mais receber propaganda eleitoral daquele candidato.

Outra opção ao usuário é a denúncia de uma propaganda deste tipo. Basta clicar no ícone “x” e depois na opção “Denunciar este anúncio”. Na ferramenta, a pessoa pode justificar porque está questionando aquela mensagem. Segundo a assessoria da empresa, a legislação eleitoral não prevê fiscalização prévia dos assuntos, mas os candidatos e legendas estão sujeitos às políticas internas e podem ser alvo de punições como bloqueio da propaganda ou da conta.

Outras plataformas

O Twitter anunciou que não veicularia anúncios por não ter como se adequar às exigências do TSE.

Fonte Agência Brasil

Rio Bom – “Bom Comportamento” foi tema do projeto em agosto

Bons comportamentos foi o tema do projeto Vamos Brincar de Ler desse mês

No encontro desse mês, as missionárias da Enbebras (Entidade Missionária Brasileira), Sueli Soares Costa e Angélica Luiza da Silva, se utilizaram da arte da “contação de histórias” para transmitir aos alunos dicas de bom comportamento. “Nós os questionamos como eles estão usando os dons da fala, da audição, da visão com a família, com os colegas, professores no cotidiano. Colocamos também os direitos e deveres que eles têm enquanto crianças”, explica Sueli.

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS – A “contação de histórias” é uma das práticas mais remotas que se tem registro da humanidade. O ser humano conta histórias desde o início do desenvolvimento das habilidades de comunicação e da fala. Elas promoviam, e promovem, momentos de união, confraternização, trocas de experiências, além de ajudar a passar o tempo e vencer o tédio.

As histórias despertam a imaginação, as emoções, o interesse, as expectativas… ouvir uma história e/ou contá-la e recontá-la é uma maneira de preservar as culturas, os valores e compartilhar o conhecimento.

O primeiro contato da criança com o texto, geralmente, é por meio das histórias apresentadas, oralmente, por pais e familiares. Elas podem ser contadas em diversas ocasiões, como, por exemplo, ao acordar, durante uma tarde chuvosa, antes de dormir, preparando para um sono tranquilo e restaurador… Essa prática é extremamente importante, é o início do processo de aprendizagem.

Ouvir histórias desenvolve o pensamento crítico e oferece para as crianças a possibilidade de conhecer um mundo encantador, mas, também, cheio de conflitos e dificuldades que precisam ser enfrentados. Segundo o professor Josep Maria Puig [em sua obra, de 1998, p.69], “a criança quando ouve histórias, consegue perceber as diferenças que mostram os personagens bons e maus, feios e bonitos, poderosos e fracos, facilita à criança a compreensão de certos valores básicos da conduta humana ou do convívio social. Através deles a criança incorporará valores que desde sempre regem a vida humana”.  A psicóloga Rosely Sayão (2003) salienta que “contar histórias é um ato de amor e carinho por parte do adulto”. Destaca, também, que, “de forma lúdica e prazerosa, a criança pode aprender muito a respeito do mundo que a espera”.

Em seu livro Contar Histórias: Uma arte sem idade, COELHO (1999, p.47) nos ensina que “antes de narrar a história deve-se abrir espaço para uma boa conversa. Por exemplo, se a história gira em torno de animais domésticos e começa-se diretamente, os ouvintes poderão interromper dizendo: eu também tenho um gato, um cachorro, um passarinho, o que for”. A autora reforça que o espaço para as crianças falarem antes da narração é indispensável. Neste momento o “contador” conhece melhor as crianças e concede a oportunidade aos pequenos de falarem. Isto acalma e os prepara para a aventura.

O “contador” precisa ser habilidoso, é necessário “entrar” na história e levar junto todos os ouvintes. Diversos recursos, como, imagens, sons, instrumentos musicais, materiais alternativos, devem ser utilizados para que o momento seja ainda mais aprazível.

Algumas dicas e técnicas também podem ajudar. A linguagem corporal do “contador” tem grande relevância para o processo. Trocas de olhares diretas com os ouvintes são importantes. Caso identifique um ouvinte mais desatento, separe algum tempo para contar a história diretamente para ele, mas cuidado para que ele não se torne o centro das atenções, esse não é o objetivo. As perguntas devem ser respondidas, mas no limite exato. E lembre-se, as intervenções não podem comprometer o seu trabalho.

O ambiente, mesmo que simples, deve ser favorável à “contação de história”. Pode ser ao ar livre ou em locais fechados, porém é necessário estar livre de qualquer distração ou desconforto. Ruídos, pessoas transitando, excesso de sol, muito frio, muito calor, muito iluminado, pouco iluminado… tudo isso poderá dificultar o trabalho do “contador”. Procure o ambiente e o momento ideais para contar suas histórias.

A escritora e pedagoga Fanny Abramovich (1989, p. 17) nos diz que “é ouvindo histórias que se pode sentir (também) emoções importantes como: a tristeza, a raiva, a irritação, o medo, a alegria, o pavor, a impotência, a insegurança e tantas outras mais, e viver profundamente isso tudo que as narrativas provocam e suscitam em quem as ouve ou as lê, com toda a amplitude, significância e verdade que cada uma delas faz (ou não) brotar”.

No ato da “contação de história”, a criança se identifica com os personagens, com os heróis, as heroínas, o mocinho e a mocinha… essa identificação desperta várias emoções e faz com que os pequenos coloquem para fora seus sentimentos e vençam o medo, a angustia, a timidez… além disso, a “contação” aguça a curiosidade dos alunos e desperta o interesse em conhecer mais histórias. A tendência é que naturalmente, se tornem habilidosos leitores e o processo de ensino-aprendizagem será mais rápido e prazeroso.

Da Assessoria

SAMU de Faxinal orienta crianças dos CEMEIS e Escolas sobre os perigos doméstico

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) com equipe de socorristas de Faxinal estão realizando visitas nos CEMEIS e Escolas. O objetivo é para orientar as crianças sobre os perigos domésticos do dia a dia. Durante as visitas as crianças recebem orientação para adotar um comportamento seguro em situação de urgência, seja chamando o 192 ou pedindo socorro para uma pessoa adulta.

Segundo o socorrista Osvaldo do ‘’SAMU’’ de Faxinal, com as crianças aprendendo de como se comportar em uma situação de emergência, elas se transformam em multiplicadores das informações recebidas, tanto no meio familiar quanto com outras pessoas fora do ambiente escolar, e isso, é um fator importantíssimo para salvar uma vida, disse Osvaldo. Estiveram nas instruções, os socorristas: Osvaldo, Rodrigo e Andersom.

Da Assessoria

Prefeitura de Ivaiporã inicia obra de revitalização no Lago das Flores

Prefeitura de Ivaiporã inicia obra de revitalização no Lago das Flores

A Prefeitura de Ivaiporã iniciou a obra de revitalização no Lago das Flores, por meio do Departamento Municipal de Meio Ambiente. O objetivo da administração municipal é concluir a obra antes do 57º aniversário de Ivaiporã, que é celebrado no dia 19 de novembro.

O prefeito Miguel Amaral, diretores dos Departamentos Municipais de Meio Ambiente e Obras, Alaercio Bufalo e Bruno Montoro – respectivamente, e o gerente operacional do Departamento do Meio Ambiente e Serviços Urbanos, Valdinei Szlapak, estiveram no Lago das Flores, onde observaram o andamento dos trabalhos.

Miguel Amaral disse que a população terá mais uma opção de lazer ao ar livre. “Vamos realizar investimentos e tornar o Lago das Flores mais um cartão postal da cidade. A obra poderá ser inaugurada no aniversário de Ivaiporã. Mas dependemos das condições climáticas”, ponderou o prefeito.

Alaercio Bufalo explicou que a obra de revitalização iniciou com o desassoreamento e a retirada do excesso de barro. “A Prefeitura de Ivaiporã irá limpar completamente a área e preservar as minas. E, após a limpeza, o Lago das Flores será iluminado e ganhará outro aspecto com paisagismo”, esclareceu Alaercio Bufalo, informando que a ilha do Lago das Flores também será limpa e iluminada.

Bruno Montoro lembrou que a pista de caminhada, que ligará a Vila Santa Maria, Lago das Flores e o Lago Ambiental Jardim Botânico, poderá ser utilizada por pedestres e ciclistas.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Ivaiporã – Lúcia Lima

Prefeitura de Faxinal adquire equipamentos novos para o setor de notas do produtor rural

Prefeitura de Faxinal adquire equipamentos novos para o setor de notas do produtor rural

O setor de notas do produtor rural de Faxinal esta com equipamentos novos, foram instalados no setor novos computadores, impressora, armários para arquivos, cadeiras e mesas. Em anexo ao prédio da prefeitura, a sala atende os produtores rurais com cadastro do produtor rural, nota fiscal do produtor, AIDF – Autorização de Impressão de Documentos Fiscais e RPP-Relatório de Produtos Primários. Os funcionários João Macedo, 29 anos de prefeitura e Florival Moraes, 35 anos de casa, relataram que a mais de 20 anos que o setor não recebia investimentos como esse, e isso, vêm melhorar ainda mais o atendimento do produtor, com rapidez e eficiência.

Desde que assumiu a prefeitura, o prefeito Ylson Cantagallo vem investindo nos setores da prefeitura, com reformas nas salas, compra de equipamentos e qualificando os profissionais com cursos para gestores. Segundo o prefeito, dar condições dignas para o profissional no ambiente de trabalho é o mínimo que um gestor público pode e deve fazer, ‘’Condições de trabalho é fundamental para um funcionário contente, em um ambiente confortável para ele trabalhar, é mais saúde e até o trabalho rende mais, é o que estamos fazendo em todos os setores da prefeitura’’, disse Gallo.

Da Assessoria

Em uma semana, São Pedro do Ivaí vacina 37% das crianças contra pólio e sarampo

Em uma semana, São Pedro do Ivaí vacina 37% das crianças contra pólio e sarampo

Dados preliminares da Secretaria Municipal da Saúde indicam que, em uma semana, São Pedro do Ivaí vacinou 195 crianças (37%) contra o sarampo e a poliomielite. A previsão é de que até o final da campanha 527 crianças sejam vacinadas.

A campanha nacional de vacinação contra as duas doenças começou em 6 de agosto e prossegue até o dia 31 nos três Postos de Saúde do município – Cohapar, Distrito Marisa e Clínica da Mulher. Devem ser vacinadas todas as crianças com idade entre 12 meses e menores que 5 anos, mesmo as que já foram vacinadas.

Segundo o prefeito José Isalberti, a meta é vacinar 95% das crianças da cidade, para evitar que o surto de sarampo registrado em outras localidades não chegue à São Pedro do Ivaí.

“A cobertura vacinal é a única forma de manter as duas doenças controladas, se não vacinarmos nossas crianças, o sarampo e a poliomielite podem reaparecer, temos que evitar que isso aconteça”, disse o prefeito. “Peço aos pais e responsáveis que levem suas crianças para se vacinar. Não podemos arriscar a saúde das nossas crianças”, conclui o prefeito.

No caso da poliomielite, as crianças que não tomaram nenhuma dose durante a vida recebem a vacina inativa poliomielite (VIP), injetável. Aquelas que tomaram anteriormente uma ou mais doses da vacina VIP, recebem a vacina oral poliomielite (VOP), em gotinhas. Para proteção contra o sarampo, todas as crianças tomam uma dose da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola.

Tanto em SPI quanto no Paraná não há registro de sarampo ou de poliomielite há décadas.

DIA D – Para reforçar a vacinação contra pólio e sarampo, no próximo sábado (18) acontece o Dia D da campanha. Os Postos de saúde do Distrito Marisa, da Cohapar e a Clínica da Mulher irão funcionar das 08h às 17h para facilitar a imunização das crianças.

Da Assessoria