Agricultor de Tereza Cristina, distrito de Cândido de Abreu é exemplo de cooperativista

José Hanrega, 72 anos, pode ser considerado um cooperativista nato. Alguns motivos o credenciam para isso. A primeira é que seus pais são da região considerada o berço do cooperativismo no Paraná, em Tereza Cristina, distrito de Cândido de Abreu (Centro-norte do Paraná).
A segunda é que ele é associado da Coamo desde a instalação no município, mas antes disso já fazia parte de outra cooperativa, a Canorpa, adquirida pela Coamo em 1990. Outro bom motivo é o trabalho realizado em família, uma extensão do cooperativismo. Ele trabalha com a esposa Estanislava, a filha Sueli, o genro João Adriano Bida e o neto João Paulo. E assim como ‘se’ Juca, como é conhecido, o genro e o neto também são cooperados.
 ‘Seo’ Juca mora na mesma propriedade desde que nasceu. No local também existe uma pequena mercearia. Quem toma conta é a dona Estanislava. Perguntado sobre a evolução na vida da família, “seo” Juca responde rapidamente que o cooperativismo e a Coamo tiveram papel fundamental.
 Nessa semana do cooperativismo que encerra no sábado com o dia internacional do cooperativismo você confere histórias que comprovam o quanto o cooperativismo é capaz de mudar a história das pessoas.
Fonte Coamo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s