Cooperativas do Paraná estimam prejuízos de R$ 1 bilhão

Segundo a Ocepar (Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná), levantamentos iniciais apontam prejuízos na casa de R$ 1 bilhão somente para o setor cooperativista, durante os 10 dias de paralisação dos caminhoneiros no Estado. Prejuízos provocados com a interrupção das atividades em 25 agroindústrias que atuam nos setores: lácteos, carnes, grãos, açúcar e álcool e fertilizantes. Diariamente, nove plantas deixaram de abater 2,3 milhões de cabeças de aves, quatro deixaram de abater 12,7 mil cabeças de suínos, duas deixaram de abater 180 mil tilápias e seis agroindústrias deixaram de processar 3 milhões de litros por dia.

Retomada – Com fim da paralisação, das 25 unidades cooperativas, nesta quinta-feira (31/05), 16 já haviam retornado a normalidade e outras 9 também retomam suas atividades. Essas perdas também atingem os cooperados, que deixaram de fornecer seus produtos para as agroindústrias, sem falar nos 35 mil funcionários que foram dispensados durante o período. As cooperativas agropecuárias do Paraná reúnem 167.563 produtores cooperados, responsáveis por um faturamento anual de aproximadamente R$ 57 bilhões (2017), ou seja, movimentação econômica diária de R$ 150 milhões, gerando empregos e distribuindo riquezas nos 399 municípios. Sessenta por cento da produção de grãos no Paraná passam pelas cooperativas, 50% da ração, 53% do beneficiamento de leite, 57% do abate de suínos, 37% das aves.

Lácteos – Produtores cooperados, juntamente com as seis agroindústrias de processamento de leite das cooperativas paranaenses, tiveram que descartar durante a paralisação, mais de 25 milhões de litros de leite impróprios para o consumo, um prejuízo estimado de R$ 32,5 milhões. Nesta conta não está o prejuízo com produtos industrializados estocados e que agora precisam passar por avaliação técnica se podem ou não ser comercializados, o que que poderá aumentar ainda mais os prejuízos com possíveis descartes. Com a paralisação do transporte, 30 milhões de pintainhos tiveram que ser sacrificados, não conseguiram chegar até as granjas.  Em todo o Estado, o setor possuí em alojamento 215 milhões de aves.

Comitê de Crise – Desde que a paralisação foi deflagrada pelos caminhoneiros, dia 21/05, com bloqueios das principais rodovias estaduais e federais impedindo o trânsito, a Ocepar constituiu um Comitê de Acompanhamento para da Crise com profissionais de diversas áreas e cooperativas para monitorar os desdobramentos e manter os diretores informados a respeito do movimento paredista.

Defesa Civil – A convite do Governo Estadual, a Ocepar passou também a compor o Gabinete de Crise, com um assento na Defesa Civil, através do superintendente, Robson Mafioletti, em companhia de profissionais de outras entidades, entre elas a Secretaria de Agricultura, Paulo Roberto Meira e da Fiep, João Arthur Mohr. “Nesses 10 dias, em parceria com a Defesa Civil, Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e depois com a participação do Exército, conseguimos facilitar, através de um adesivo, a circulação de produtos importantes, como ração para aves, insumos para ração, leite in natura e animais vivos. Negociamos tudo com a Defesa Civil e com os líderes do movimento. Alguns incidentes aconteceram mas contornamos com a ação imediata do comando da PM e também com apoio recebido do coordenador da Defesa Civil, Coronel Maurício Tortato e pelo Major Antônio Hiller e de toda sua equipe”, lembrou Robson Mafioletti.

Abastecimento – Na terça-feira (29/05) sem previsão da paralisação encerrar e na eminência de faltar alimentos nos supermercados da capital, a Ocepar organizou com apoio da Defesa Civil, a vinda de um comboio com 10 caminhões carregados com 280 mil litros de óleo de soja, que saíram de madrugada de Maringá, no Noroeste do Estado, chegando na manhã desta quarta-feira em Curitiba, para abastecer supermercados, panificadoras e restaurantes. Os caminhões foram escoltados em todo o percurso, de cerca de 450 quilômetros, pela Polícia Militar e a Defesa Civil. Também foram enviadas cargas de produtos de outras regiões do Estado, como leite, carnes, café, margarina, farinha de trigo, gordura vegetal, etc. Entre quarta-feira e o feriado, cerca de 1.800 caminhões de cooperativas com produtos industrializados seguiram para os principais mercados consumidores do Paraná.

Acordo – Esta iniciativa de abastecer Curitiba, é fruto de acordo feito pela Ocepar e demais entidades que integram o G7, grupo formado também pela Fiep, Faep, Fecomércio, Faciap, Fetranspar e ACP com o Governo do Estado do Paraná e Defesa Civil. “O desabastecimento da população é o que mais nos preocupa neste momento, já que a paralisação dos caminhoneiros completou 10 dias e muitos estabelecimentos já apresentavam falta de gêneros alimentícios”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Fonte Coamo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s