Diminui número de jovens que não estudam nem trabalham

O número de jovens que não estudam nem trabalham, conhecidos como “nem-nem”, diminuiu no Paraná no ano passado em comparação a 2016, ao contrário da média nacional, que aumentou no período. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) divulgados na semana passada, em 2017 o Estado tinha 447 mil pessoas de 15 a 29 anos que não frequentavam a escola e não estavam inseridos no mercado de trabalho, contra 453 mil jovens nesta situação no ano anterior. No Brasil, os jovens “nem-nem” passaram de 10,5 milhões, em 2016, para 11,2 milhões em 2017.-. Foto: Adrieli Takigui /Arquivo SEDS

O número de jovens que não estudam nem trabalham, conhecidos como “nem-nem”, diminuiu no Paraná no ano passado em comparação a 2016, ao contrário da média nacional, que aumentou no período. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) divulgados na semana passada, em 2017 o Estado tinha 447 mil pessoas de 15 a 29 anos que não frequentavam a escola e não estavam inseridos no mercado de trabalho, contra 453 mil jovens nesta situação no ano anterior. No Brasil, os jovens “nem-nem” passaram de 10,5 milhões, em 2016, para 11,2 milhões em 2017.

Em um universo de 2,6 milhões de pessoas com idade entre 15 e 29 anos no Estado, os jovens “nem-nem” representavam, no ano passado, 17,2% da população nesta faixa etária. De acordo com a Pnad, a maior parte da juventude paranaense (40,5%) está inserida no mercado de trabalho e não frequenta instituições de ensino. O número de pessoas nesta situação também aumentou no período, passando de 1,04 milhão, em 2016, para 1,05 milhão em 2017.

Também é maior o número de jovens matriculados em uma escola, faculdade, curso técnico de nível médio ou de qualificação profissional: eles passaram de 650 mil em 2016 para 653 mil no ano passado, ou 25,2% da população desta faixa etária. Houve, porém, uma pequena redução entre os jovens que estudam e trabalham ao mesmo tempo. Eram 444 mil em 2016 e passaram para 442 mil em 2017 – 17% desta população.

AMBIENTE FAVORÁVEL – Para Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social), o ambiente do Paraná é mais favorável para os jovens. Suzuki afirma que a taxa de jovens paranaenses que não estudavam ou trabalhavam, que já era mais baixa em comparação à realidade brasileira, diminuiu porque a economia do Estado também está melhor que a nacional. “No ano passado, a economia do Estado cresceu 2,5%, enquanto o PIB nacional teve aumento de 1%”, disse.

As políticas públicas estaduais nas áreas de emprego e educação também são um diferencial neste contexto. “O Paraná tem um sistema de ensino estruturado, tanto na educação básica como na superior, que conta com uma rede de universidades estaduais presentes em todas as regiões. Essa estrutura é atrativa e mantém o jovem estudando”, afirma.

Programas como o Paraná Competitivo, que dá incentivo fiscal a empresas que se instalam no Estado, também aumentam a demanda por mão de obra e incentivam a contratação de jovens. “As políticas do Estado são importantes neste processo. Um mercado de trabalho pujante oferece melhores oportunidades para o jovem”, diz Suzuki.

Ele também citou o programa Família Paranaense, que tem grande amplitude social e prevê a inserção produtiva e a manutenção do jovem na escola. “Políticas públicas que visam os jovens são ações voltadas para o futuro, porque os jovens que hoje trabalham e estudam serão profissionais mais capacitados futuramente”, ressalta.

Fonte AEN

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s