Silagem utiliza 35% da safra de milho

Com a janela de ensilagem aberta – período em que o milho mantém a porcentagem de matéria seca entre 33% e 35% -, produtores rurais da região já colhem o milho que é destinado para alimentar os animais. Na regional da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab), de Ivaiporã, que abrange 22 municípios, a área destinada à cultura do milho é de pouco mais de 15 mil hectares, sendo que 35% da área está sendo destinada para silagem. Em alguns municípios com maior tradição pecuária e suinocultura, a maior parte da primeira safra do milho tem essa finalidade e o volume pode chegar a 70% da área cultivada.

O processo de “ensilagem” consiste no corte da forragem, armazenamento em silos feitos em buracos no solo, compactação e a proteção com a vedação por lonas. A “silagem” é o alimento gerado por esse processo, destinado principalmente para bovinos. Na época seca, substitui o pasto; na engorda em confinamento, é usada junto com os grãos e farelos. Conforme o agrônomo Sergio Carlos Empinotti, do Departamento de Economia Rural (Deral), da Seab de Ivaiporã, o milho para a alimentação animal está dentro das especificações esperadas e com ótima produtividade. “Tanto a massa aérea quanto os grãos estão bem produtivos, o que produz bastante massa”. Já o milho safrinha destinado à comercialização dos grãos deve levar ainda uns 20 dias para o início da colheita. “A previsão é de uma boa safra”, assinala Empinotti.

O produtor rural José Luiz de Paula Dias, da localidade de Água do Milagre, em Ivaiporã, fez a silagem do milho plantado em área de dois hectares na semana que passou. “Cada hectare pode render de 40 a 60 toneladas”, relata. A alimentação está sendo reservada para a engorda de cerca de 30 cabeças de gado durante o inverno e os períodos de seca. “A silagem hoje é indispensável para o gado. Se for para comprar o trato pronto, no caso à ração, ficaria inviável”, relata Dias. Edilson Schefer, produtor rural na localidade de Jardim da Curva, em Ariranha do Ivaí, conta que a ensilagem na lavoura dele, também em área de dois hectares, será feita na próxima semana. “Se for bem armazenada a silagem pode ficar até dois anos”. Ele relata ainda que na região onde mora a maioria dos produtores plantaram milho para silagem. “Hoje comercializar grãos não compensa, o preço está muito baixo. Nas lavouras que eu conheço, o pessoal plantou para silagem, tudo para consumo próprio, não planta mais para comércio de grão”, completa Schefer.

Por Ivan Maldonado, TNOnline

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s