EUA colheram 119,5 milhões de toneladas, o maior volume da história

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou na sexta-feira (12/01) os números finais da colheita norte-americana na safra 2017/18, além do balanço de oferta e demanda mundial. 

Projeção – O novo relatório rebaixou a projeção para a soja nos EUA em quase 1 milhão de toneladas. Até novembro, a produção estimada era de 120,44 milhões de toneladas; agora, porém, foi reajustada para 119,52 milhões de toneladas devido à correção de produtividade. Segundo o órgão, os rendimentos médios das lavouras passaram de 3.330 kg/ha para 3.300 kg/ha.

Maior colheita – Apesar do recuo, o número ainda corresponde à maior colheita da oleaginosa na história, 2,6 milhões de toneladas acima do recorde anterior (obtido na temporada 2016/17) e quase 4 milhões de toneladas a mais do que as previsões iniciais, de fevereiro de 2017.

Oferta e demanda – Do ponto de vista da oferta e demanda, os norte-americanos fecham o ciclo com 12,79 milhões de toneladas de estoque (600 mil toneladas a mais que a projeção anterior), resultado das exportações desaquecidas. Os embarques fecharam em 58,79 milhões de toneladas; em novembro, a expectativa era de 60,56 milhões de toneladas.

Milho – No caso do milho, também houve reajuste de produção, porém positivo. Conforme o USDA, os produtores do país encerram a colheita com 370,96 milhões de toneladas, contra os 370,29 milhões de toneladas estimados em novembro. O ganho foi em produtividade, que subiu mais uma vez e chegou a 11.080 kg/ha, a maior da história (+0,64% no comparativo com novembro). O aumento de produção e a queda no consumo doméstico fizeram com que os estoques fechassem em 62,93 milhões de toneladas, 1 milhão de toneladas a mais que a previsão anterior.

América do Sul – Para o Brasil, a novidade é que o departamento norte-americano acompanhou a tendência de diversas consultorias e da própria Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ampliando a estimativa de produção para 110 milhões de toneladas, 2 milhões de toneladas acima do previsto anteriormente. Quase todo o excedente, segundo os norte-americanos, será destinado às exportações (sobrando 500 mil toneladas a mais nos estoques finais, que devem encerrar o ciclo em 22,36 milhões de toneladas).

Argentina – A colheita na Argentina também foi readequada em função da estiagem severa que o país sul-americano atravessa. Com isso, a projeção do USDA caiu de 57 milhões de toneladas para 56 milhões de toneladas.

Sem alteração – No caso do milho, não houve alterações. Para o USDA, o Brasil irá fechar o ciclo com 95 milhões de toneladas produzidos e 34 milhões de toneladas exportados.

(Fonte – Gazeta do Povo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s