Revogada suspensão da licitação da Câmara de Pitanga para serviços de gestão

O conselheiro Fabio Camargo relata processo em ses ...

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) revogou medida cautelar que determinava a suspensão do Pregão Presencial nº 6/2017 da Câmara Municipal de Pitanga (Centro-Sul), realizado para a contratação de empresa para serviços de gestão e planejamento. A revogação da cautelar foi homologada na sessão do Tribunal Pleno de 16 de novembro.

A nova decisão foi tomada em razão das justificativas apresentadas pelo Legislativo municipal no processo de tomada de contas extraordinária instaurado para apurar possível dano ao cofre do município.

A Câmara Municipal de Pitanga alegou que a conversão dos seus sistemas informatizados de controle e gestão, realizada pela empresa contratada em decorrência da suspensão do contrato licitado, paralisou os sistemas de folha de pagamento, compras, pagamentos de fornecedores e demais programas contábeis. Segundo a peticionária, isso comprometeu a alimentação do Sistema de Informações Municipais-Acompanhamento Mensal (SIM-AM) do TCE-PR e a disponibilização de dados públicos no portal do Legislativo municipal na internet.

Também foi apresentado na petição um termo de acordo firmado com a licitante vencedora do pregão, Governança Brasil S.A. Tecnologia e Gestão de Serviços, no qual está expressa a concordância da empresa em executar os serviços pelo valor mensal de R$ 3.249,80, idêntico ao oferecido pela participante que havia proposto o melhor preço e tinha sido desclassificada do pregão, sem redução ou alteração do objeto contratado.

A cautelar que suspendia a licitação havia sido homologada, em 26 de outubro, em razão de o preço da mensalidade da empresa vencedora do certame ser superior àquele proposto pela licitante desclassificada, configurando contratação antieconômica, com indício de dano ao erário.

O conselheiro afirmou que “bem ponderadas as circunstâncias envolvidas, deve ser assegurada a continuidade dos serviços públicos”. Ele considerou, para revogar a medida cautelar que suspendia o pregão, que a manutenção da suspensão iria prejudicar o funcionamento da câmara; e que o indício de dano ao erário foi afastado mediante o comprometimento das partes em rever o valor integral do contrato.

O Tribunal determinou a intimação da Câmara Municipal de Pitanga e da empresa Publitech Softwares Ltda., autora da representação que havia resultado na suspensão do pregão, para ciência da decisão.

Fonte TCE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s