Funrural: bancada apresenta relatório com descontos para até 240 parcelas

Resultado de imagem para funrural

Depois de a “bancada do Refis” no Congresso Nacional ter conseguido emplacar descontos maiores para suas dívidas, a bancada ruralista também vai testar o governo nas negociações em torno do programa de parcelamento de débitos de R$ 17 bilhões com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). O relatório da Medida Provisória (MP) apresentado nesta quarta-feira, 1, traz inúmeras mudanças, inclusive uma que na prática concede abatimentos integrais em juros e multas para o pagamento da dívida durante um período maior, de 240 meses, ante os originais 180 meses.

O pagamento das 176 parcelas do programa (depois das quatro a serem quitadas neste ano) é feito conforme um porcentual da média da receita bruta da comercialização no ano anterior. Por isso, pode haver ainda saldo devedor ao fim do prazo. É neste caso que o texto diz expressamente que é permitido novo parcelamento, por até 60 meses, “mantendo-se em qualquer hipótese as reduções previstas”.

A relatora, deputada Tereza Cristina (PSB-MS), também elevou os descontos. Antes, os abatimentos eram de 100% nos juros e 25% em multas e encargos, mas agora eles passam a 100% em todos os casos, pelo parecer. É por isso que, na prática, a bancada ruralista quer aprovar desconto integral nos juros e multas por 20 anos.

“O produtor rural e o adquirente não podem ser sancionados por estarem amparados, até a recente decisão do STF, no entendimento então adotado por aquele Tribunal e, muitas vezes, por decisões liminares”, diz o texto.

Essas medidas têm potencial para elevar a renúncia com o programa de parcelamento rural, que na versão do governo já era de R$ 7,6 bilhões em 15 anos, ou 44,7% do total da dívida. Há ainda possibilidade de impacto na receita esperada com o programa neste ano (R$ 681,53 milhões), uma vez que o relatório reduz de 4% para 1% o total do débito que precisa ser pago ainda em 2017, como entrada.

O texto da relatora também inclui um dispositivo que livra os produtores do pagamento, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) diga que a cobrança da contribuição deve ser feita apenas daqui para frente. Isso porque a MP exige a confissão dos débitos que os devedores entendem não ter.

Em março, a corte decidiu em placar apertado que o recolhimento do Funrural sobre a receita bruta da comercialização da produção é constitucional, mas a bancada ainda tem esperanças de que os ministros “modulem” a decisão passando a borracha no débito de R$ 17 bilhões, acumulado porque muitos produtores conseguiram liminares ou deixaram de pagar o Funrural em meio à tramitação do processo no STF. Os parlamentares também aprovaram uma resolução do Senado para perdoar a dívida, mas a área jurídica do governo considera que a medida não tem efeito sobre os R$ 17 bilhões.

Outras mudanças

O texto ainda estende o prazo de adesão ao Refis do Funrural para 20 de dezembro. O governo já havia prorrogado a data inicial, de 29 de setembro, para 30 de novembro, mas isso é considerado insuficiente pelos produtores. O relatório ainda permite a inclusão de débitos vencidos até 30 de agosto (a data limite estipulada pelo governo é 30 de abril).

Devedores até R$ 15 milhões poderão ainda usar crédito de prejuízo fiscal e base de cálculo negativa da CSLL para abater a dívida, prevê o relatório. Ainda para estes devedores, o valor da parcela ficará menor que o previsto pelo governo, de 0,8% da média da receita bruta do ano anterior para 0,3%.

Tereza Cristina também inseriu dispositivo pelo qual a falta de pagamento das parcelas por “quebra significativa de safra” não implicará exclusão do programa.

Fonte Agência Estado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s